Voando livre no por do sol - Pedra da Gávea - verão 2014

Rio de Janeiro , 3a feira - 28 de janeiro de 2014

Olá galera do SUP ,
Atualmente eu tenho dividido o meu tempo entre as aulas, passeios e travessias de SUP, e os voos duplos panorâmicos de instrução
com asa delta na Pedra Bonita - que certamente é um dos melhores lugares para a pratica do voo livre no mundo .
Por isso hoje eu quero compartilhar com vcs um pouco dessa experiencia maravilhosa, postando aqui as fotos desse voo de ontem no pôr do sol de verão, com a minha sortuda aluna Raiza ... Essas imagens na postagem abaixo falam mais do que qualquer palavra !

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2010

Jorge Borges 4a aula - Barra de Guaratiba - 24/2/2010







Depois de uma aula de manhã cêdo no posto 6 em Copacabana para o Alvaro Cavalcanti Fº, corri para casa para fazer alguns telefonemas e responder vários e.mails; aproveitando para almoçoar bem mais cêdo do que o habitual já que por volta das 12.30 eu tinha acertado a segunda aula do dia para um amigo e ídolo de minha adolescencia (...)

Que honra e prazer pra mim está sendo contagiar com o meu entusiasmo e euforia pelo sup surf, esse cara que já construiu um barco a vela ("Tibúrcio" !) na garagem de sua casa na Gávea , surfou muito em Saquarema nos anos 70, praticou com muito arrojo e paixão a caça submarina em todos os pesqueiros entre as ilhas Cagarras , Ilha Grande e Angra dos Reis; em tempos em que era bem comum cruzar com meros e garoupas enormes em todos esses lugares, por influência direta de uma tradição familiar ja que seu Pai e seu tio ( os irmãos João e Arnaldo Borges - grandes amigos de meu pai ) foram campeões Brasileiros e Sul Americanos desse esporte nos anos 50 e 60 e bem conhecidos ali pelo tradicional - Clube do Marimbás - Posto 6 - Copacabana ...

Diante das condições do mar e da maré, foi o proprio Jorge que sugeriu o rumo de Barra de Guaratiba na zona oeste do Rio , um dos meus picos preferidos para o sup surf no RJ ...
Achamos que haveria pouco movimento na orla da Barra da Tijuca pelo fato de ser uma quarta feira , a primeira depois da "de cinzas" ! Logo no inicio da Av. Sernambetiba notamos que estávamos completamente enganados , pois o movimento ali na beira mar mais parecia um dia de final de semana fora do verão , ou mesmo um desses dias de "ponto facultativo" quando grande parte do povo carioca opta pela beira mar num dia lindo como aquele ...

Normalmente temos algum "receio" em passar pela praia de Grumari nos dias de pouco movimento no meio da semana ( pelos motivos habituais, com os quais o carioca já se "acostumou"...) , mas diante do grande movimento de carros e da companhia surgida de ultima hora de nosso amigo e parceiro assíduo no SUP - Jose Mário Sperry (sim êle mesmo , aquela fera braba e várias vezes campeão mundial de Jiu Jistu e Vale Tudo nos ringues do mundo inteiro !) , partimos confiantes pelo trajeto que é um dos mais bonitos na nossa beira mar : Praia da Reserva , Recreio , Macumba, Prainha e Grumari ; para logo chegarmos no pico escolhido para a aula/treino ...

Logo na chegada notamos que o vento havia mudado de E/SE para Sul, o que prejudicaria o nosso treino , mas isso que serviu para treinarmos numa condição de bastante instabilidade numa agua verde esmeralda e sem ninguem ao nosso redor, alem das gaivotas que pescavam sem parar bem perto de nós ... Aí estão as fotos dessa 4a aula do JORGE BORGES !

Alvaro Cavalcanti 4a aula - no posto 6 em Copacabana !






De volta das viagens pra longe durante o carnaval , lá estávamos Alvaro e eu , as 7.30 da manhã num dos mais deslumbrantes cartões postais da Cidade Maravilhosa e prontos para a 5a aula dele : Posto 6 em Copacabana !
Que privilégio divino tem o Carioca diáriamente de poder pisar na areia fôfa e branca de nossas praias deslumbrantes , principalmente numa manhã de verão com sol e céu azul como a de hoje ... Realmente, é o que eu considero um "privilégio divino" !
E, que barato ver a quantidade de pessoas da terceira idade curtindo intensamente esse verdadeiro "direito" tão bem exercido por uma enorme legião de cariocas, principalmente os mais afortunados que moram a poucos passos da praia !
Admiro demais todos aqueles que exercem esse direito habitualmente, seja dando um simples mergulho no mar , uma caminhada ou corrida no calçadão ou na areia fôfa , pedalada na orla ou na Paineiras , remada de caiaque ou de canoa havaiana , velejo , volleyball , peteca , um vôo livre da Pedra Bonita, qualquer tipo de surf e etc ; naquele horário que eu considero com o mais espetacular e nobre, apesar de muitas vezes difícil para muitos (inclusive eu !) : de manhã cêdo ! com o sol ainda baixo no deslubrante relêvo carioca, inofensivo em seus raios; e muito pelo contrário, extremamente saudável ...
Foi exatamente isso que eu e o Alvaro curtimos hoje na sua 5a aula , que pelo seu desempenho já podemos chamar de treino , que eu mostro nessas fotos ...
A constatação é óbvia e não devemos nos cansar de repetir e louvar :
- " Nós cariocas somos uns privilegiados ; mesmo !" ( geográficamente falando; é claro...)
Tudo bem que em São Paulo tem altos restaurantes; mas (...)

Sérgio Brandão faz o " sup test drive" em frente de casa !





A propaganda feita pela familia e os amigos é realmente eficaz, além de gratuita ! E assim sendo, foi mais uma enorme suprêsa e um prazer, poder curtir a primeira aula de sup surf com o Sergio Brandão grande amigo de meu irmão Gustavo e de todos na familia Gama . Aliás, é o segundo amigo do Gustavo que me dá essa honra e me prestigia , acreditando que essa minha nova "paixão" é mesmo uma coisa bôa de se experimentar (...)

E assim como aconteceu com o Alvaro Cavalcanti Fº, que está a cada dia mais seguro e por isso mesmo fissurado em treinar e aprender os truques do SUP surf, acredito que o Sergio irá pelo mesmo caminho, pois já me disse hoje que depois dessa 1a aula andou experimentando o sup emprestado pelos vizinhos nas aguas calmas de Angra dos Reis, que é um verdadeiro paraíso para a prática do SUP !

A idéia inicial era ir fazer essa 1a aula nas aguas paradas da Lagôa Rodrigo de Freitas - "Sacopenapã"... Mas diante do trânsito habitualmente "infernal" já as 7.30 da manhã no nosso adorado bairro ( nós sabemos que até 2016, tudo será diferente !), resolvemos desistir para fazer a aula ali mesmo bem frente a casa dele aqui na praia de São Conrado, um dos lugares mais lindos do mundo a meu ver ...
Mas o vento leste soprava forte desde cêdo, o que prejudicou bastante o treino apesar da ausencia de ondas . Mesmo assim o Sergio mostrou muita disposição para experimentar a sensação maravilhosa de navegar num SUP ( STAND UP PADDLE BOARD ) ; ou "prancha a remo".
Terminamos aula ainda de manhã cêdo, e nos deliciamos com algumas aguas de côco geladinhas ali no quiosque de frente para o "nosso" deslumbrante relêvo e assistindo o trânsito nervoso dos carros a caminho do trabalho .
Minutos depois já estávamos em nossas casas tomando um banho para partir para o trabalho, com aquela sensação fisica maravilhosa que o sup proporciona a todos que praticam ...
Sergio, prometo que a 2a aula vai ser sem vento; e que certamente o seu entusiasmo e disposição para aprender o "sup surf" vão aumentar a cada treino !

segunda-feira, 22 de fevereiro de 2010

Travessia Country clube - Iate Clube/ RJ





No meio do dia 7 de abril de 2008 entrou um vento sudoeste bem forte no Rio de Janeiro, mexendo bastante o mar ainda quase sem ondas .

Como eu havia combinado com meu amigo Arnaldo Borges uma visita ao "Boat Show" naquela noite, achei interessante a idéia de ir remando de São Conrado até o local do evento na marina da Glória, o que seria a maior distancia remada por mim de "sup" até então .

Porém; como o Arnaldo não poderia ir comigo , êle sugeriu que eu deixasse a minha roupa e toalha no seu carro em frente ao seu escritorio que fica na quadra da praia na rua Aníbal de Mendonça, para que no resgate no Iate Clube eu pudesse tomar uma chuveirada e trocar de roupa para de lá seguirmos com êle nossos amigos Paulo Linhares e Bernardo Blanquier para o evento.

Liguei para alguns amigos já com alguma experiencia nas remadas de "sup", mas já estava convencido de que iria sozinho quando o meu amigo e arquiteto preferido Ricardo Hachyia confirmou que iria comigo, o que me deixou eufórico só acreditando mesmo quando êle apareceu com a prancha no rack do carro em frente ao Country Club no posto 9 em Ipanema .

Na ocasião êle estava apenas começando no "sup", o que me deixou impressionado pela sua disposição em encarar todo o longo trajeto , ainda mais pelas condições do mar bem mexido ...

Apesar da redução considerável no percurso achei que ainda assim seria uma remada forte, apesar da corrente e do vento totalmente favoráveis propiciando o "downwind" ; ou seja , o popular vento de pôpa, que nos empurraria em todo o trajeto, ao contrário do que sábiamente me advertira o meu amigo e bom conhecedor dos velejos na baía de Guanabara desde garoto - Paulo Linhares ( Paulinho "Nêga" ) quando estávamos prestes a partir , afirmando com convicção que, certamente teríamos que encarar o vento sudoeste contra na reta final no trajeto entre o Pão de açucar e a chegada no Iate clube, o que combinado com a maré vazante no mesmo horário poderia nos trazer sérias dificuldades ....

Ansioso para começar logo a aventura, argumentei que o "sup" rema muito rápido e que remando perto dos costões não deveríamos ter problemas ! Lêdo engano (...)

Só fui acreditar que êle tinha razão, quando já cansado e com aprox. 1hora e 30' de remada forte atravessei com bastante dificuldade a praia do Forte da Urca, isso depois de uma travessia ótima e bem veloz por tôda a extensão da praia de Copacabana até o forte do Leme , surfando nos "carneirinhos" fortes do vento sudoeste que me empurravam bastante em direção a baía de Guanabara, o que eu nunca havia feito antes ...

Já começava a escurecer depois que venci com bastante dificuldade a travessia da praia do Forte da Urca , quando cheguei na pior parte da travessia remando quase "colado" no costão em frente a uma fortaleza antiga, aonde eu mal progredia no percurso de pé na prancha .
No começo achei que intensificando a remada eu superaria tudo fácilmente, mas a partir dali a cada minuto eu me lembrava das sábias palavras de advertencia do Paulinho "Nêga" Linhares , ( que foi um "ídolo" pra mim durante anos de voo livre em São Conrado) , adquiridas na pratica do iatismo na infancia e adolescencia ali mesmo na baía da Guanabara, mais exatamente ali aonde eu começava a me preocupar a cada minuto que passava sem conseguir passar a tal da fortaleza ... Quando eu cansava e reduzia o vigor das remadas a prancha andava pra trás, a ponto de pensar na hipotese de voltar em direção a praia do Forte, o que para mim seria uma derrota naquele momento vindo de tão longe e já tão perto do meu destino que era sede do Iate Clube .

Passados uns 10 minutos remando com força total sem conseguir sair do lugar resolvi deitar na prancha , quando vi uma traineira das grandes vindo do Iate Clube em minha direção com todos os seus tripulantes na beirada do barco, e gritando para eu desistir e subir na traineira pois eu não conseguiria sair dali remando de jeito nenhum ... Eles tentaram me convencer e vendo que eu não desistia , a traineira deu meia volta e veio de novo chegando mais perto ainda, quando dava para ouvir o barulho do motor engrenando a marcha ré para assim conseguir compensar a corrente fortíssima por causa da combinação citada pelo sábio "Nêga" : maré vazante forte + vento sudoeste forte contra (...)

Finalmente, depois de uns 15 minutos consegui chegar mais perto da pedra e ultrapassar a área da correnteza forte para as aguas mais calmas; e ali ja quase em frente a praia do Cassino da Urca, me lembrei do Ricardo que vinha um pouco mais atrasado ...
Já preocupado e com a consciencia pesada por não tê-lo esperado no trajeto depois da praia Vermelha, resolvi voltar achando que ele poderia ter desistido e saído pela praia do Forte, até que o avistei remando bem mais aberto logo depois do lugar que eu tinha passado um "sufôco minutos antes ...
De longe ele gritou que tambem tinha passado pelo mesmo "sufôco" no mesmo lugar , e dali até a chegada no Iate foram menos do que 10' de remada tranquila com as luzes da cidade refletidas na agua espelhada entre os tantos barcos ali ancorados .

E, quando a respiração ja estava normalizada e vi o cronometro marcando 1'55" hs , eu imaginei que estava encerrada a aventura, até que fiquei em pé no limo da tal rampa dos barcos a vela e ao colocar a prancha na cabeça , eu não conseguia mais me mover para lado nenhum e com a sensação horrível de que ia dar um "looping" caso tentasse dar um passo ou mesmo meio , pra qualquer direção ...
Aí o coração disparou de novo, e eu me achei um idiota de não ter premeditado que com aquela maré baixa eu estaria pisando na pior parte do limo, que mais parecia um sabão ...
Fiquei imóvel durante 1 longo minuto até que , uuuufa ! consegui dar um pequeno passo sem escorregar e sair gritando para o Ricardo não subir ali pela rampa e sim pela borda do cais com a minha ajuda ...

Depois de saber que o Arnaldo , Bernardo e o Paulinho "Nêga" já tinham cansado de nos esperar e ido embora, deixamos os sups no hangar dos barcos , tomamos uma chuveirada e fomos de táxi até a Marina p/ encontrá-los no BOAT SHOW aonde curtimos uma visita a bordo de um veleiro espetacular da marca "JUNNEAU" (?!) , aonde nos esperava o representante e nosso amigo Jorge Bally "Perseg", também iatista veterano e piloto de asa delta quando eu ainda começava a bater as asas em 1978 ...

De lá voltamos ao Iate Clube para buscar os sups e comer um ótimo "buffet" para encerrar a noite felizes demais com essa aventura inédita e inesquecível para nós. Quando eu poderia imaginar que um dia eu percorreria essa longa distancia de pé em cima de uma prancha a remo, e que daquele dia até hoje eu surfaria tantas ondas e com tanta facilidade em todos os picos de surf que eu ja havia surfado de surfboard ao longo dessa majestosa e abençoada orla carioca ?!?!?!.... O sup surf é um esporte que porporciona uma sensação de bem estar físico muito intensa , e que certamente ajuda demais na liberação do "stress" inevitavelmente acumulado no cotidiano "nervoso" da mais maravilhosa das cidades no mundo inteiro ...

Agora, já no final de Fevereiro de 2010, eu me preparo para remar da ponta do Arpoador até as Ilhas Cagarras, para de lá seguir até as ilhas de Palmas, Tijucas; e finalizar com uma maravilhosa chuveirada na guarderia de pranchas na Praia do saudoso sócio e amigo Pepê Lopes O RIO DE JANEIRO CONTINUA LINDO; E SENDO (...)

sábado, 20 de fevereiro de 2010

sábado 20/2/2010 - treino forte de sup surf em Guaratiba







Hoje as 6.30 da manhã o meu amigo e parceiro Arnaldo Borges me ligou, dizendo que em meia hora passaria para um treino forte de sup surf em Guaratiba ; um bom horário para conseguirmos estacionar chegando lá , pois trata-se de um lugar que fica lotado nos dias de sol nessa epoca de verão carioca ...
Em Barra de Guaratiba existe um canal que conecta o mar com a baía de Sepetiba, aonde as vezes existe uma  corrente muito forte principalmente na maré vazante nos dias de grande variação de marés ( nas luas cheia e nova ) , o que exige bastante atenção e experiencia dos surfistas e banhistas que por lá se aventuram em busca de surf , ou mesmo de um simples banho de mar ...

Chegando lá, nos juntamos aos amigos Edson Pereira Nunes ( companheiro de sup surf e de voo livre na Pedra Bonita...) ,  Victor Vasconcelos ( um amigo de infancia do colegio Andrews !) e seu filho Vince, que já surfa muito bem aos 15 anos de idade . O Victor fabrica ótimas pranchas de surf há algumas décadas, e hoje estreava um SUP (stand up paddlebord) de tamanho bem reduzido ( 8'3" = aprox. 2.60 mts) fabricado por ele recentemente com medidas revolucionárias e plenamente aprovadas por nós depois do teste de  hoje...

Curtimos demais durante quase 4 horas, as boas marolas que quebravam bem afastadas do canal em direção a restinga de Marambaia ( aonde só entra de carro quem tem uma permissão/ passe fornecido pelo exercito ) , evitando assim as ondas boas que quebravam na area do canal,  muito disputadas pelos surfistas de pranchas pequenas . 

Depois de nos divertir muito nas ondas pequenas de formação regular, para a nossa alegria descobrimos que existe um barzinho perto das casas dos militares , que vende agua , refrigerantes e até um peixinho e camarão na brasa ! Assim pudemos beber muita agua e nos hidratar no encerramento de mais um otimo treino de "sup surf" nesse lugar maravilhoso e muito pitoresco , que  nos dá a impressão de estarmos  fora do Rio de Janeiro  (...) 

fotos : Gui Gama 

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

como começou o meu entusiasmo pelo "sup surf"





Depois de morar por 15 anos na ilha de Bali, me esbaldando de surfar nas ondas que eu considero como as melhores do planêta; fiquei com receio de perder o contato com o mar na minha volta para o Rio de Janeiro , sobretudo, por causa da diferença na qualidade das ondas entre os picos de surf em Bali e no Rio de Janeiro , sem falar na disputa prá lá de acirrada para conseguir pegar uma onda no meio do "crowd" de surfistas Cariocas, agressivos e ávidos por alguma onda, que na melhor das hipóteses pode durar bem menos do que uma onda considerada de qualidade "mediana" na "ilha dos Deuses " (...)

Alem disso, me preocupava a perspectiva de perder a boa remada adquirida ao longo desses anos por lá; pois, apesar de voltar morar no RJ a partir de dezembro de 2002 , o plano seria retornar a Bali todos os anos para trabalhar no meu negocio de importação, cuidar da minha casa lá; e para curtir o melhor que Bali tem a meu ver : o SURF ! Eu estava certo de que morando de novo no Rio de Janeiro , certamente eu não teria o contato diário e intenso que tinha com o mar como em Bali, quando durante muitos anos eu surfava até 2 vezes ao dia ( pela manhã e depois no pôr do sol ...)

Sendo assim, eu que sempre gostei muito de nadar em piscinas e no mar aberto , resolvi comprar um longboard de meu amigo Ítalo Marcelo ( mais conhecido no mundo do surf como "capacete") , para curtir um programa inédito até então : remar no longboard ao longo da praia de São Conrado ida e volta para me exercitar , até que comecei a esticar as remadas até a Joatinga e depois até a praia do Pepê , aonde muitas vezes eu jogava um voleibol com os amigos antes de fazer todo o caminho de volta .

Num dia desses remando em São Conrado até o canto esquerdo da praia, resolvi experimentar a sensação de surfar num longboard ( pela primeira vez nos meus mais de 30 anos de surf ) nas pequenas marolas pouco disputadas lá naquele dia ; o que me surpreendeu muito ao constatar que o "longboard" é de fato uma bôa opção para o surf nas condições predominantes na maioria dos dias aqui na orla carioca : ondas pequenas e cheias !


Alem disso me surpreendi tambem com a facilidade que os "longbaords" tem para entrar nas ondas , facilitando demais na disputa acirradissima pelas ondas cariocas, o que é uma dura realidade nas ultimas décadas no surf carioca .

Alguns amigos e conhecidos que me viam remando longas distancias de "longboard"pelas praias e costões da orla carioca , sugeriam constantemente e de maneira enfática, que eu deveria conseguir um "paddleboard" ( que são pranchas próprias para remadas e bem populares no Hawaii desde muito tempo atrás) , sendo que eu me lembrava vagamente de já ter lido uma matéria de jornal ou revista anos atrás , citando o legendário surfista e ícone do esporte - Rico de Souza, como precursor e único praticante dessa modalidade na orla carioca há tempos atrás , o que certamente acontecia em função da sua conhecida frequencia na rota Rio-Hawaii-Rio ....

Finalmente, eu fui apresentado ao "paddleboard" durante a minha estadia em Bali 2003 , quando eu acabei vencendo o evento " PADDLE FOR PEACE " ( vide postagem recente no SUPCARIOCA) o que me deixou mais empolgado e fissurado para ter um "brinquedo" desses, para me exercitar remar muito mais rapido ainda nos trajetos habituais entre o canto do Pepino , praia da Joatinga e a praia da Barra . Chegando ao Rio em Outubro de 2003 eu soube que o Ruy Jardim ; um surfista e comerciante de material para a fabricação de pranchas ,tinha 2 "paddleboards" 0 kms feitos por um havaiano chamado Jackola (radicado durante alguns anos da década de 70 no litoral Paulista) , que os havia deixado como parte de pagamento de uma dívida . Quando eu fui visitar o Ruy e vi os "brinquedos" , não tive dúvida e adquiri um imediatamente ( o azul da foto , remando com o meu filho Lorenzo )

Com esse paddleboard que tinha 12' pés ( aprox. 3.6 mts) eu curti muito na orla carioca, em Angra dos Reis e em Buzios entre 2003 e 2007, chegando a remar durante em 3hs e 55' no percurso entre a ponta do Pepino em São Conrado até a pedra do Recreio dos Bandeirantes, aonde cheguei já sem nenhuma energia por causa da minha "estupidez" (não há outro têrmo !) por não ter levado nada para comer nem p/ beber , nem ao menos ter parado para faze-lo ao longo do percurso ... A minha sorte é que eu havia combinado com um grande amigo que mora no Recreio dos bandeirantes ( Kleber Tani) , que apesar de não acreditar que eu completaria o percurso , acabou passando pela praia pra conferir e me achou exausto tomando muita agua, que em poucos minutos voltou na mesma rapidez que entrou (...) Aprendi essa lição; pois na ultima meia hora do trajeto eu senti claramente o que sente um náufrago prestes a sucumbir a exaustão !

Em meados de 2007 eu comecei a ouvir falar que uns surfistas Havaianos de ondas gigantes estavam praticando uma remada de pé numa prancha, que ainda por cima lhes permitia surfar nas ondas com uma certa agilidade ...Fiquei muito intrigado e curioso, custando a acreditar que eu poderia fazer todos aqueles trajetos prefridos estando de pé na prancha , exercitando o corpo inteiro e não apenas os membros superiores ( como na remada deitado...) , e numa posição bem mais confortável sem precisar ficar levantando a cabeça e esticando o pescoço para poder olhar as belezas ao redor nos costões da Pedra da Gávea e tôda a beleza deslumbrante do relêvo carioca !!! Mas eu não conseguia acreditar que essa prancha de remada em pé existia mesmo , e ainda mais que pudesse surfar bem com uma prancha com aquelas dimensões (...)

No começo do Verão de 2007, o meu amigo e compadre Dr. Julio Tedesco me proporcionou o primeiro contato com o STAND UP PADDLEBOARD, depois de afirmar - "esse esporte tem tudo a ver com você" ! Êle sabia bem o que estava dizendo ; pois anos depois de nos conhecermos do surf nas ondas espetaculares que quebravam em frente ao Hotel Nacional nem meados da década de 70 ( ainda não havia sindo feito o calçadão ), fomos nos conhecer bem melhor ainda nos anos que consideramos como os anos "dourados" de nossas vidas , quando sobrevoamos o maciço da Tijuca em todos os tipos de ventos e nas mais variadas alturas, de manhã de tarde e muitas vezes na lua cheia até tarde da noite . Por isso mesmo , êle sabia o que estava dizendo ...
Êle me ligou na véspera e combinamos que no dia seguinte finalmente, eu experimentaria o "SUP" ( stand up paddlboard ) . Quando cheguei na praia em frente a sua casa na Barra êle me deu as instruçoes basicas, e eu remei durante mais de 1 hora, a favor e contra o vento leste que já tinha entrado forte.
Gostei muito , principalmente quando sentia a prancha acelerar estando a favor do vento ! Naquele instante eu havia decretado a aposentadoria do "paddleboard" de remar deitado , que posteriormente acabei doando para a Escola de Surf da Rocinha .

Assim eu comecei a praticar um esporte que me entusiasmou a ponto de deixar um pouco de lado o voo livre , que eu ja praticava desde 1978 , e o surf convencional de "mini model" que eu praticava desde o inicio dos anos 70 . Alem do pontapé inicial do meu compadre Julio, tive um incentivador que me fez realmente ficar fissurado no esporte : Edu Nahuys ! Um cara de quem eu ouvia falar e conhecia de vista, e fui conhecer em Bali no ano anterior, quando curtimos muito surf juntos na companhia dos seus 2 filhos e 2 amigos, se tornando um amigo muito querido depois de gentilmente me emprestar durante 1 mês o seu "sup" Dennis Pag/ Rico 11'4" trazido do Hawaii e ainda novo em folha !

Realmente, foram esses 2 incentivos que geraram o meu entusiasmo que só aumenta e que já contagiou tantos amigos, e continua contagiando os alunos e parceiros que me dão o prazer e a honra de suas maravilhosas companhias ...
ostumo dizer sem exagêro, que nunca curti tanto a orla carioca como curto atualmente; passeando, fazendo travessias e surfando de SUP nesse cenário cotidiano e deslumbrante , numa beira mar perfeita para a prática dessa nova e ancestral maneira de surfar e curtir o mar ...Com a descoberta do "SUP", a cidade maravilhosa ficou ainda melhor !
Queridos amigos Julio e Edu, muito obrigado !

Amigo querido de minha familia, do turfe para o surfe ...







...Para mim tem sido um enorme prazer acompanhar e curtir as aulas de "stand up surf" com um grande amigo de minha familia , que se tornou o que eu considero um aluno exemplar de SUP , pelo seu entusiasmo , tenacidade e grande força de vontade nos treinos regulares de manhã cêdo . Em apenas 3 aulas o Álvaro já estava se aventurando no mar mexido característico da saída do canal do quebra mar na Barra da Tijuca ...
Essas fotos dizem tudo ...
Boa viagem p/ vocês e trate de se alimentar bem e descansar bastante aí na neve, pois na sua volta os treinos serão fortes (...)
Forte abraço p/ vcs e p/ a familia na Inglaterra !

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2010

Vitoria "canarinho" no Paddle for Peace em Bali ...







Aproveito um e.mail escrito para os amigos e irmãos Metzavaht, para contar essa aventura que participei na temporada em Bali 2003 . Naquele tempo eu jamais poderia imginar que 5 anos depois estaria tão empolgado com uma nova e ancestral maneira de surfar e curtir o mar (...)

Caros Oskar e Leo
Espero que tudo esteja em paz com vcs e familia .

Ontem Domingo aqui em Bali aconteceu pela primeira vez o evento "Paddle for Peace", que faz parte das festividades do "Kuta Carnival" que esta acontecendo na Praia de Kuta com varios Campeonatos e exibições de : Skate , Surf , Natação , Salvamento , remada e etc, para celebrar a Paz e a volta do turismo em Bali .

Eu fui convidado para disputar esse evento com mais 9 outros participantes , sendo a travessia num trajeto de 12 kms remando de "paddle board", modalidade de remada que eu nunca havia praticado até a vespera do evento , quando fui chamado pelo Australiano organizador do evento (Ken Lucas) um dia após treinar ida e volta a Kuta Reef com êle , que ficou impressionado com o meu rendimento tendo em vista que êle é um experiente e veterano "paddle boarder" ( 51 anos ) ; e aquela era a primeira vez que eu remava num "paddle board" ...

Ele me emprestou uma prancha 14 pés que ele mesmo fabrica ( uma verdadira obra prima , toda em madeira de balsa - copia fiel de um modelo Tom Blake de 1926 ...) , que mais parece um desses barcos a remo ("single skiff" ) que a gente ve aí na Lagoa .
Êle optou pelo modelo mais moderno em todo o Mundo feito a 2 meses atrás , com 16 pés tôda em fibra de carbono ( muito leve e veloz !) , com um leme que é manobrado com os joelhos .

Nesse treinamento / teste , ele me deixou abrir na frente certo que ia me passar com facilidade no final , mas acabou saindo da agua surpreso com a distancia que eu coloquei a sua frente numa remada de 25 minutos apenas ( da praia em frente ao Kuta Life Guard ao pico Kuta reef - ida e volta )....

Eu que até então estava louco com o visual das pranchas de fibra de carbono , acabei gostando muito dessa fabricada pelo Ken Lucas, ( em madeira de balsa sem um prego , toda colada com cola epoxi ...) , mesmo sabendo que ele é muito mais lenta se comparada com a de fibra de carbono , segundo ele mesmo admitiu . Essa prancha de madeira mais parece uma obra de arte que ele vende algumas todos os anos para a California e Caribe ...Imaginei que ficaria linda pendurada numa Surf Shop ou qualquer outra loja que venda estilo

Depois de muita adrenalina e 12 kms remando forte sem parar, acabei chegando na frente com o tempo de 1:34 ' ! Pra isso eu tive o apoio de 3 Brasileiros que me acompaharam em 2 Jets skis , e chegando na areia eu vesti logo a "canarinho" com as 5 estrelas (é claro !) antes de começar uma grande festa !
Larguei na frente e fui abrindo o tempo todo, deixando pra trás inclusive o Ketut Pitur (surfista local la de Uluwatu) , alem de Australianos e Americanos sendo que alguns deles usando pranchas de "carbon fiber"...
Obs :
Espero que de pra ver nas fotos ou lindo calção OSKLEN vermelho , que comprei no Fashion Mall antes de vir pra cá !!!

A noite a entrega de premios foi a maior festança num Hotel em frente a praia de Kuta , com um buffet maravilhoso , show de dança Balinesa , show de musica ao vivo , discurso de autoridades de Kuta , todos os integrantes do "Kuta Beach Life Guard " , cobertura de TV, imprensa ... Foi muito legal mesmo !
Sugeri que no ano que vem a largada seja em Padang2 com apenas uma bóia em frente a Kuta Beach, e que o evento seja anunciado com bastante antecedencia e aberto para longboards também ...
Eu quero demais ter uma "paddle board" dessa no RJ , pra fazer umas travessias em dias "flat" e de agua clara aí na Orla Carioca , Buzios ; e especialmente em Angra dos Reis !!!

O Rico ja me disse que quer muito fazer um evento desses aí no RJ ...

Forte abraço a todos na familia Metzavaht !
Gui Gama




Na vespera do caranaval 2010 eu tive o enorme prazer de fazer a travessia de sup do Hotel Nacional até a praia do Pepê, na companhia de meu amigo e colega de ônibus escolar do Colegio Andrews; Luiz Felipe da Graça Aranha, que saiu de sua loja no centro no final da tarde para juntos partirmos por volta das 19hs rumo ao pôr do sol na Barra, aonde chegamos cansados e felizes por volta das 20hs depois de 54 minutos de remada a favor do vento num mar bem mexido de E/NE ... Esse tipo de programa a essa hora dia, só mesmo durante o horário de verão ! Felipe, obrigado pela sua parceria e amizade de muitas décadas, e pela sua disposição que continua firme depois dos "50"...
Em breve espero que vc me acompanhe saindo do Arpoador até as ilhas Cagarras ...






O Fred Brandão é um dos meus primeiros alunos , e recentemente começou a treinar no mar depois de alguns treinos no "flat water" . Aqui estão algumas fotos dêle aprendendo e curtindo o sup em diferentes cenários de nossa orla carioca, que é um deslumbramento em forma de geografia ... As fotos foram tiradas em dias diferentes, na lagoa Rodrigo de Freitas e em Ipanema entre o Hotel Fasano e o arpoardor quando ele se aventurou pela primeira vez no mar .

almoço no "Bira" e stand up surf no pôr do sol em Guaratiba !







Numa bela tarde de verão em Janeiro de 2010 eu curti um programa inédito e maravilhoso com minha mulher e meus amigos, Andre Sansoldo e Gustavo Kronig ...Depois de um ótimo almoço no Internacionalmente afamado restaurante "Bira de Guaratiba", a maré subiu e nós fomos remar nos "fiordes" que recortam os manguezais ali no canal de Guaratiba, que é navegável até a Baía de Sepetiba ...
Começamos tarde e remamos durante todo o pôr do sol pois o mar estava completamente "flat," sem ondas ... A Meidy adorou e até o Kronig, que fabrica "sufboards" desde 1972 e jamais se imaginou remando num "sup", curtiu muito e pediu para repetir . O André já é "veterano" e muito experiente tantos nas travessias como no "sup surf" ...Voltamos felizes ja de noite para a praia de Barra Guaratiba ! Vejam as fotos :